Desenvolvimento Pessoal
Compartilhe com seus amigos!

Estudo realizado por pesquisadores do Instituto Internacional de Medicina Integrativa do Sono da Universidade de Tsukuba, reafirma a importância do sono como ferramenta de aprendizagem e para o fortalecimento da memória. O experimento em ratos trouxe informações relevantes sobre o que acontece dentro do próprio cérebro. No hipocampo do cérebro do rato adulto, células recém-formadas que são ativadas por uma experiência de aprendizado foram posteriormente reativadas na fase REM do sono. Os autores afirmaram que essa reativação é necessária para fortalecer a consolidação da memória. 

Este é o primeiro estudo a relacionar a consolidação da memória com a formação de novos neurônios como processos dependentes do sono.

No cérebro de mamíferos adultos, a maioria das células ou neurônios não se replica. Mas especificamente em uma região do hipocampo chamada giro dentado, novos neurônios continuam a nascer em um ritmo lento ao longo da vida do animal, esse fenômeno se chama neurogênese e é um processo considerado importante para a formação da memória e para a realização de outras funções executivas.

Aprender é apenas uma parte da formação de uma memória, no entanto. Para que as memórias durem, o sono, e em particular o sono REM, é mais do que essencial. De acordo com o neurocientista Sakaguchi.do Instituto Internacional de Medicina Integrativa do Sono da Universidade de Tsukuba, a privação do sono geralmente diminui a neurogênese. A questão era justamente descobrir se existe alguma função dos neurônios recém formados em cérebros adultos durante o sono.

Para descobrir, a equipe desse neurocientista examinou pela primeira vez a atividade desses neurônios de camundongos após uma experiência negativa de aprendizado. Usando microscópios miniaturizados anexados aos crânios de camundongos e marcadores fluorescentes para rastrear as atividades dos neurônios recém formados, a equipe mostrou que esses neurônios foram ativados após o evento de aprendizagem eram mais propensos a serem reativados durante as próximas fases REM dos animais ao dormirem.

O sono REM, que em humanos é quando sonhamos, dura apenas um minuto ou mais em camundongos e é identificado por meio de medidas eletrofisiológicas e de tônus ​​muscular. Embora não se saiba se os ratos sonham, essa reativação desses neurônios associados à aprendizagem sugere que a atividade de sonhar pode ser uma parte da consolidação da memória, segundo Sakaguchi.

O próximo passo dos pesquisadores era esclarecer os mecanismos de como os novos neurônios se integram aos circuitos de memória já existentes ao codificar novas memórias, entendimento importante para que o conhecimento possa ser aplicado ao desenvolvimento de novas terapias para distúrbios de memória.

Assumindo que as descobertas podem ser validadas e que são generalizáveis ​​para vários tipos de memórias – não apenas o condicionamento que envolva medo, os pesquisadores afirmam com muita certeza, que, esses princípios se aplicam aos humanos. Afinal, eles afirmam, o hipocampo e o giro dentado são “estruturas muito antigas” e muitos de seus mecanismos estão bem conservados.

Se você precisa aprender novas habilidades e competências no seu trabalho, ou simplesmente precisa estudar para um curso ou uma prova importante, que tal cuidar da qualidade do seu sono e garantir uma boa noite de sono com direito a uma noite cheia de muitos sonhos?

 

Fontes:

Kumar et al., “Sparse activity of hippocampal adult-born neurons during REM sleep is necessary for memory consolidation,” NEURON, doi:10.1016/j.neuron.2020.05.008, 2020.

Adult neurogenesis conserves hippocampal memory capacity. Neurosci. 2018; 38 : 6854-6863

Compartilhe com seus amigos!